O Bitcoin (BTC) foi alvo de volatilidade instantânea na abertura de Wall Street em 20 de fevereiro, quando um “falso rompimento” clássico abateu os traders.

Gráfico de 1 hora BTC/USD. Fonte: TradingView

Vendedores rapidamente eliminam o impulso do preço do Bitcoin acima de US$ 53.000

Os dados do Cointelegraph Markets Pro e da TradingView acompanharam a ação do preço do Bitcoin, que ultrapassou brevemente os US$ 53.000 antes de ser alvo de uma forte rejeição.

Por consequência, o par BTC/USD devolveu os ganhos intradiários em menos de duas horas, chegando abaixo de US$ 51.000.

No momento em que este artigo foi escrito, uma recuperação modesta sustentava o preço do Bitcoin em torno de US$ 51.400.

Os contratos em aberto de futuros de Bitcoin, um catalisador clássico de volatilidade, que atingiu seus níveis mais altos em 26 meses no início desta semana, permanecia acima de US$ 22,5 bilhões, segundo dados da CoinGlass.

Contratos em aberto de futuros de Bitcoin (captura de tela). Fonte: CoinGlass

Reagindo à tentativa fracassada de ultrapassar os US$ 53.000, o popular trader Jelle disse aos assinantes do X para ampliarem o foco.

E, assim, os gráficos de períodos de tempo curtos não parecem mais muito interessantes.

Você tem duas opções:
– Deixar que estes gráficos o abalem
– Ignorar o ruído e manter o seu planejamento de longo prazo.

Qual será a opção? #Bitcoin

— Jelle (@CryptoJelleNL)

“A tendência continua sendo de alta. Isso não significa que vamos nos manter em uma tendência de alta de uma só vez”, completou Michaël van de Poppe, fundador e CEO da empresa de trading MNTrading.

Como outros analistas, van de Poppe referiu-se aos influxos direcionados aos fundos negociados em bolsa (ETFs) de Bitcoin à vista, que, devido a um feriado público nos Estados Unidos, só reabriram para negociação nesta terça-feira, 20 de fevereiro.

Conforme relatado pelo Cointelegraph, o Bitcoin valorizou à medida que as gestoras de ETFs acumulam BTC. Alguns traders adicionaram exposição adicional antes da abertura de Wall Street em uma tentativa de capitalizar uma potencial nova pernada de alta.

“Da mesma forma, o influxo dos ETFs não vai empurrar o preço do Bitcoin para US$ 100 mil em 2 meses”, argumentou van de Poppe.

“As correções acontecem e, diante do sentimento atual do mercado, elas serão desagradáveis e de curta duração.”

Índice de Medo e Ganância das Criptomoedas (captura de tela). Fonte: Alternative.me

De acordo com os dados do Índice de Medo e Ganância das Criptomoedas, a “ganância” é o sentimento que atualmente predomina entre os traders de criptomoedas de maneira geral. Como observou o Cointelegraph anteriormente, o índice recentemente atingiu seu nível mais alto desde pouco antes de o Bitcoin atingir seu recorde histórico de preço de US$ 69.000 no quarto trimestre de 2021.

Métrica de preço do Bitcoin “favorita” dos analistas canaliza rompimento de 2020

Enquanto isso, em um caso encorajador de retorno ao passado, um indicador historicamente preciso de mercados de alta está dando novos sinais de que o preço do Bitcoin deve subir ainda mais.

Conforme observado por Caleb Franzen, analista de mercado sênior da Cubic Analysts, o oscilador Williams% R está repetindo o comportamento visto pouco antes de o Bitcoin romper pela primeira vez os US$ 20,000 no final de 2020.

Um novo teste de suporte parece ter sido bem-sucedido, disse ele no X, abrindo caminho para uma possível continuação da tendência de alta.

O #Bitcoin acabou de completar um impulso A→B→C para o Oscilador Williams%R de 2 anos (um dos meus indicadores favoritos do $BTC).

A: rompimento acima da sobrecompra
B: queda abaixo da sobrecompra
C: rompimento acima do ponto A

A última vez que isso aconteceu foi em outubro de 2020, antes de o preço subir +390% em 6 meses.

— Caleb Franzen (@CalebFranzen)

Conforme relatado pelo Cointelegraph, Franzen também usou o oscilador como base para prever o fim do mercado de baixa em 2022.

Este artigo não contém conselhos ou recomendações de investimento. Todo investimento e movimento comercial envolve risco, e os leitores devem realizar suas próprias pesquisas ao tomar uma decisão.