Uma aporte recorde de US$ 2,45 bilhões em produtos de ativos digitais na semana encerrada em 17 de fevereiro e a valorização do preço do Bitcoin (BTC) fizeram com que os ativos sob gestão do setor recuperassem os níveis de dezembro de 2021 – US$ 67,1 bilhões. A maior parte dos investimentos foi feita nos Estados Unidos por meio de fundos negociados em bolsa (ETFs) de Bitcoin à vista , de acordo com uma postagem publicada no blog da CoinShares em 19 de fevereiro. No entanto, alguns dados apontam que os aportes em ETFs de Bitcoin não está sendo impulsionados por novos investidores, o que seria algo muito menos otimista do que se pensava anteriormente.

Dado o sucesso do lançamento do ETF, é preciso considerar se os ganhos de preço de 21,8% registrados até 19 de fevereiro atendem às expectativas dos investidores. Apesar dessa conquista, o preço do Bitcoin ainda está quase 25% abaixo do recorde histórico de US$ 69.000, e casos anteriores de entidades que anunciaram aquisições de bilhões de dólares em Bitcoin causaram um impacto muito mais forte sobre o preço do criptoativo. Consequentemente, seria de se esperar um impacto muito maior do influxo líquido de US$ 4,93 bilhões acumulado pelos ETFs desde o lançamento dos fundos em 11 de janeiro, conforme exibido pelos dados da BitMEX Research.

Bitcoin mostra força mesmo com a ausência de investidores de varejo

Há algumas explicações possíveis para o desempenho limitado do Bitcoin recentemente, embora seja impossível determinar como cada participante do mercado avalia sua posição ou qual é a lógica por trás da pressão vendedora. Mas uma coisa é certa: se quase US$ 5 bilhões foram aportados nos ETFs de Bitcoin à vista, então o mesmo valor foi vendido pelos detentores anteriores. Alguns analistas e investidores confundem a emissão diária com a oferta disponível para negociação, mas elas não estão necessariamente alinhadas.

Atualmente, a rede Bitcoin emite 900 BTC por dia como incentivo aos mineradores, o que equivale a cerca de US$ 328 milhões por semana. Em comparação, o volume diário ajustado do Bitcoin ultrapassa US$ 10 bilhões, portanto, em última análise, as moedas cunhadas para subsídios não são representativas em termos de preço, uma vez que mais de 93% do suprimento total de 21 milhões já estão em circulação. Em suma, é improvável que os mineradores sejam os culpados pelo aumento limitado do Bitcoin após o lançamento dos ETFs.

A Tesla anunciou a aquisição de US$ 1,5 bilhão em Bitcoin em 8 de fevereiro de 2021, que foi seguida por uma alta de 48% em 14 dias. Curiosamente, o ponto de partida, US$ 38.870, estava apenas 7,5% abaixo do recorde histórico anterior, que havia sido registrado apenas 30 dias antes, o que significa que, mesmo que o mercado de alguma forma tenha antecipado o movimento, o evento em si levou o preço do Bitcoin a um nível muito mais alto. Isso mostra como o lançamento do ETF de BTC nos EUA foi menos impactante em termos de ação de preço.

Benefícios do ETF de Bitcoin à vista incentiva a migração dos detentores anteriores

Há inúmeras vantagens para que os detentores de Bitcoin transfiram suas posições para um ETF à vista. Nesse sentido, é possível que parte do fluxo de entrada tenha sido compensada por investidores que venderam posições equivalentes de BTC. Os motivos incluem eficiência fiscal, já que o lucro/prejuízo no mercado de ações pode ser compensado pelo instrumento, relatórios fiscais mais simples, planejamento patrimonial facilitado e riscos de custódia reduzidos. Certamente, alguns investidores valorizam os benefícios dos investimentos diretos por meio de suas próprias carteiras autocustodiais, mas isso não é fundamental para muitos dos investidores.

Além disso, o crescente interesse em aberto de futuros de Bitcoin na CME indica que parte do influxo de ETFs à vista poderia ter sido compensado por posições vendidas equivalentes nos mercados de derivativos. As mesas de arbitragem lucram com a diferença de preço entre contratos de meses fixos e preços à vista regulares, comumente conhecidos como prêmio ou taxa básica. A operação “cash and carry” consiste em comprar uma posição à vista e vender os contratos futuros com um prêmio.

Contratos em aberto de futuros de Bitcoin na CME. Fonte: Coinglass

Portanto, parte do aumento de 26.500 BTC em contratos em aberto na CME em 14 dias contados até 19 de fevereiro – mais de US$ 1,3 bilhão a preços atuais – poderia ter sido vinculada à entrada dos ETFs à vista, embora neutralizada por posições vendidas em contratos futuros.

Independentemente disso, não há como pintar um quadro pessimista a partir dos dados dos ETFs de Bitcoin à vista e, quanto mais tempo o influxo continuar, maior será a probabilidade de um choque de oferta empurrar o Bitcoin acima de US$ 60.000.

Este artigo não contém conselhos ou recomendações de investimento. Todo investimento e movimento comercial envolve risco, e os leitores devem realizar suas próprias pesquisas ao tomar uma decisão.

LEIA MAIS