Uma plataforma de empréstimos baseada na Polygon usará a tecnologia blockchain para mitigar os problemas de liquidez que os proprietários de itens colecionáveis de luxo enfrentam ao converter seus ativos em dinheiro.

Davide Rovelli, consultor da plataforma de empréstimos garantidos Altr, disse ao Cointelegraph que os colecionadores de itens de luxo enfrentam vários problemas ao converter seus ativos em dinheiro. Ao vender para revendedores, os colecionadores poderiam receber ofertas abaixo do preço de mercado dos itens, pois os revendedores precisam lucrar ao revendê-los posteriormente. A rota dos leilões poderia ampliar os preços dos itens, mas envolve processos lentos e burocráticos, e requer o pagamento de taxas a terceiros.

Artigos de luxo usados como garantia para empréstimos na Altr. Fonte: Altr

O executivo acredita que a blockchain pode desempenhar um papel importante na solução desses problemas que afligem os colecionadores. De acordo com Rovelli, os colecionadores podem digitalizar seus artigos de luxo, criar um certificado digital de propriedade na blockchain e usar os ativos digitalizados como garantia para obter empréstimos on-chain rapidamente. Rovelli explicou:

“A blockchain oferece a oportunidade de acessar liquidez on-chain, algo que nunca desempenhou um papel importante no mercado tradicional de colecionáveis. Ao trazer esse mundo para a blockchain, os detentores de criptomoedas, os fundos de criptomoedas e os VCs [capitalistas de risco] podem se expor aos colecionáveis de luxo.”

A tokenização de ativos do mundo real (RWAs) tem sido um tópico crescente de interesse no espaço das criptomoedas. Quando perguntado sobre a importância da tokenização, Rovelli opinou que ela proporciona uma “camada extra de transparência em um setor em que a transparência nunca foi o ponto forte.”

Ele acrescentou que isso permite que os usuários tragam ativos on-chain depois de terem sido certificados, avaliados e armazenados. Isso oferece maior segurança e liquidez quase instantânea, pois os usuários podem usar os tokens digitais que representam os ativos como garantia para tomar empréstimos em protocolos DeFi (finanças descentralizadas). Rovelli acredita que essa abordagem destrava o valor econômico dos artigos de luxo e representa uma mudança na alavancagem dos ativos de luxo na era digital.

Rovelli também argumentou que o foco da Web3 na transparência e na segurança se alinha perfeitamente com as necessidades do setor de luxo. Isso porque a Web3 oferece maneiras de “confirmar a origem de produtos de alta qualidade” e rastrear seu histórico. Um sistema baseado na Web3 poderia tornar “quase impossível” a falsificação de produtos de luxo, de acordo com Rovelli.

LEIA MAIS