A Comissão de Valores Mobiliários e Futuros (SFC) de Hong Kong recebeu 18 solicitações de licenças de criptomoedas em aproximadamente dois meses, tanto de empresas locais quanto globais.

Em 20 de fevereiro, a Huobi HK, o braço de Hong Kong da exchange de criptomoedas Huobi, solicitou uma licença de plataforma de negociação de ativos virtuais à SFC de Hong Kong, confirmou uma reportagem publicada em um veículo de mídia local. No total, 18 exchanges de criptomoedas, incluindo Crypto.com, OKX, Bybit e DFX Labs, deram entrada ao mesmo pedido de licença desde meados de novembro de 2023.

Lista de empresas de criptomoedas que solicitaram uma licença operacional à SFC de Hong Kong. Fonte: jinse.cn

Como parte dos requisitos de licenciamento, os candidatos devem passar por diligências rigorosas, como uma auditoria financeira tradicional bem mais ampla em seu escopo investigativo do que as provas de reservas adotadas por muitas exchanges. Como resultado, as empresas da Web3 estão tendo que gastar até US$ 25 milhões para tentar obter essa licença junto ao regulador financeiro de Hong Kong.

A clareza regulatória adotada por Hong Kong recentemente no que diz respeito ao licenciamento de exchanges também atraiu empresas do mercado financeiro tradicional ao espaço, como a corretora de ações chinesa Tiger Brokers. Em janeiro, a corretora atualizou sua licença SFC Tipo 1 para incluir a negociação de criptomoedas para investidores profissionais e instituições financeiras com sede em Hong Kong. 

Em entrevista ao Cointelegraph na época, John Fei Zeng, diretor financeiro e diretor da Tiger Brokers, disse:

“Além de ações e opções, as criptomoedas estão se tornando uma importante classe de ativos. Portanto, é uma extensão natural dos negócios da corretora adicionar uma nova classe de ativos ao seu portfólio de serviços, e a tecnologia subjacente à Web3 também está integrada ao histórico da Tiger.”

O órgão regulador de Hong Kong também recebeu a primeira solicitação para lançamento de um fundo negociado em bolsa de Bitcoin (BTC) à vista. Em 26 de janeiro a Harvest Hong Kong, uma das maiores gestoras de fundos da China, encaminhou o pedido à SFC.

Enquanto Hong Kong se prepara para ampliar a adoção de criptomoedas, o governo estabeleceu um seguro mínimo de 50% para as exchanges de criptomoedas licenciadas que lidam com os ativos dos clientes.

Conforme divulgado anteriormente pela OSL Exchange, a cobertura mínima de seguro de 50% se aplica a todos os ativos sob custódia das empresas. Ao mesmo tempo, a OSL anunciou que havia assinado um contrato de dois anos com a Canopius, um sindicato da Lloyds of London, para obter uma apólice de seguro que cobre 95% dos ativos de seus usuários.

LEIA MAIS