Grandes bancos e instituições financeiras dos Estados Unidos estão pressionando a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) a reajustar sua definição de criptoativos para permitir que eles desempenhem um papel mais relevante no mercado de ativos digitais, como por exemplo atuar como custodiantes dos fundos negociados em bolsa Bitcoin à vista recentemente aprovados pelo órgão regulador.

Em 14 de fevereiro, uma coalizão de grupos comerciais composta pelo Instituto de Política Bancária, a Associação Americana de Banqueiros, o Fórum de Serviços Financeiros e a Associação do Setor de Títulos e Mercados Financeiros apresentou a reivindicação em uma carta endereçada ao presidente da SEC, Gary Gensler.

O grupo destacou a recente aprovação de fundos negociados em bolsa de Bitcoin (BTC) à vista nos EUA, observando que os bancos norte-americanos estavam vedados de atuar como custodiantes de ativos dos produtos recém-aprovados.

“A Comissão aprovou recentemente 11 ETPs de Bitcoin à vista, permitindo que os investidores tenham acesso a essa classe de ativos por meio de um produto regulamentado. No entanto, notavelmente ausentes desses produtos aprovados estão as organizações bancárias que atuam como custodiantes de ativos, um papel que desempenham regularmente na maioria dos outros ETPs.”

A carta solicitava que a SEC considerasse modificações no Boletim de Conformidade da Equipe 121 (SAB 121), emitido em março de 2022, que fornece orientação sobre a custódia de criptoativos.

Eles afirmaram que já se passaram dois anos desde a emissão da orientação, e houve “vários avanços relevantes” durante o período, incluindo a aprovação de ETFs de Bitcoin à vista.

A orientação atual exige que os bancos mantenham criptoativos em seu balanço patrimonial, o que torna dispendioso e dificulta o fornecimento de serviços de custódia de criptomoedas em larga escala.

Captura de tela da carta enviada por instituições bancárias à SEC. Fonte: Associação Americana de Bancos

O grupo agora solicita que a SEC restrinja a definição de criptoativos no SAB 121 para excluir os ativos tradicionais registrados na blockchain. Isso evitaria que ativos como depósitos tokenizados se enquadrassem na orientação estrita de criptoativos.

Eles também solicitaram a isenção de requisitos de balanço patrimonial dos bancos, mas mantendo os requisitos de divulgação, permitindo que eles se envolvam em determinadas atividades envolvendo criptomoedas e, ao mesmo tempo, forneçam transparência aos investidores.

Em uma postagem publicada no X, o diretor de investimentos da Bitwise, Matt Hougan, disse que a carta sugere que os ETFs de Bitcoin mudaram o “tom em torno da regulamentação das criptomoedas em Washington.” Outros analistas comentaram que era um sinal claro de que os bancos estão sinalizando interesse em aderir à “onda de finanças digitais.”

“Os bancos dos EUA, deixados de fora dos principais papéis relativos aos ETFs de bitcoin, estão pressionando a SEC para ajustar a orientação sobre a custódia de ativos digitais”, resumiu o analista de ETFs da Bloomberg, Eric Balchunas.

Não demorou muito.

Se você estava se perguntando se os ETFs de bitcoin iriam mudar o tom da regulamentação de criptomoedas em Washington, aqui está a resposta.

— Matt Hougan (@Matt_Hougan) 

Enquanto isso, o autor do boletim informativo semanal sobre Bitcoin, TheBitcoin Therapist, acrescentou:

“Os banqueiros estão ficando irritados por não poderem oferecer ETFs de Bitcoin à vista para seus clientes. O FOMO do primeiro trimestre já os está deixando loucos.”

De acordo com dados preliminares da Farside, o total de entradas agregadas para os recém-lançados ETFs de Bitcoin à vista acabou de ultrapassar US$ 4 bilhões, apesar de uma aceleração nos saques do GBTC da Grayscale.

LEIA MAIS