O caso de falência da FTX avançou para um novo capítulo quando os credores da exchange entraram com uma ação coletiva contra o escritório de advocacia que supervisiona o caso.

Em um processo judicial em 16 de fevereiro, os credores da FTX alegaram que o escritório de advocacia Sullivan & Cromwell, também conhecido como S&C, participou “ativamente” da “fraude multibilionária do Grupo FTX”, afirmando que a empresa se beneficiou financeiramente da fraude da FTX.

“O S&C sabia das omissões da FTX US e da FTX Trading Ltd., da conduta falsa e fraudulenta e da apropriação indébita de fundos dos Membros da Classe. Apesar deste conhecimento, a S&C tinha a ganhar financeiramente com a má conduta do Grupo FTX e assim concordou, pelo menos implicitamente, em ajudar essa conduta ilegal para seu próprio ganho.”

A ação busca indenização por uma série de acusações, incluindo conspiração civil, auxílio e cumplicidade em fraudes e auxílio e cumplicidade em violações fiduciárias.

Sullivan & Cromwell é o escritório de advocacia centenário que supervisiona os processos de falência da FTX. Anteriormente, a empresa teria atuado como consultora externa da exchange em vários negócios, incluindo a oferta da FTX pelos ativos da Voyager Digital Holdings e a aquisição da LedgerX, recebendo pagamentos significativos por seus serviços. No atual caso de falência, estima-se que as taxas da S&C atinjam centenas de milhões de dólares.

A relação entre a FTX e o escritório de advocacia foi promovida por Ryne Miller, um ex-sócio da S&C que ingressou no Grupo FTX como consultor geral em agosto de 2021. Miller supostamente canalizou pelo menos 20 casos da FTX para seu antigo escritório de advocacia.

“O Sr. Miller me informou que era muito importante para ele canalizar pessoalmente muitos negócios para a S&C, pois queria voltar para lá como sócio após sua passagem pelos Devedores”, disse o ex-diretor regulatório da FTX, Daniel Friedberg, em outro processo judicial.

A denúncia também observa que o ex-CEO da FTX, Sam Bankman-Fried, trabalhava frequentemente nos escritórios da S&C em Nova York, “tão próximo era o relacionamento” entre as empresas.

Em uma declaração anterior ao Cointelegraph, um porta-voz do escritório de advocacia negou qualquer irregularidade dizendo que o S&C “nunca atuou como principal consultor externo para qualquer entidade da FTX” e tinha um “relacionamento limitado e amplamente transacional com a FTX e certas afiliadas antes da falência”.

O potencial conflito de interesses da S&C com o caso de falência já foi examinado anteriormente. Em Janeiro de 2023, um grupo bipartidário de senadores dos Estados Unidos escreveu ao juiz solicitando um examinador independente, alegando que o escritório de advocacia “não estava em posição de descobrir as informações necessárias para garantir a confiança em qualquer investigação ou conclusões”.